E quanto à proteção do consumidor e o Bitcoin?

Bitcoin está liberando as pessoas para fazer transações em seus próprios termos. Cada usuário pode enviar e receber pagamentos de forma semelhante ao dinheiro, mas eles também podem tomar parte em contratos mais complexos. Assinaturas múltiplas permitem que uma transação seja aceita pela rede somente se um determinado número de um grupo definido de pessoas concordar em assinar a transação.

Isso permite que serviços inovadores de mediação de disputas sejam desenvolvido no futuro. Tais serviços podem permitir a um terceiro, aprovar ou rejeitar uma transação em caso de desacordo entre as outras partes sem ter controle sobre o dinheiro. Ao contrário de dinheiro e outros métodos de pagamento, Bitcoin sempre deixa uma prova pública de que a transação ocorreu, o que pode potencialmente ser usada em um recurso contra as empresas com práticas fraudulentas.

Também vale a pena notar que, enquanto comerciantes normalmente dependem de sua reputação pública para continuar no negócio e pagar seus empregados, eles não têm acesso ao mesmo nível de informações quando se trata de novos clientes. A maneira que Bitcoin funciona permite que indivíduos e empresas se protejam contra estorno, enquanto dá ao consumidor a escolha de pedir mais proteção quando eles não estão dispostos a confiar em um comerciante em particular.